Faça algo por você mesmo!


Resultado de imagem para chuva tumblr

Fiz 18 anos. Para ser mais exata, no dia 20 de janeiro do ano de 2016.
Há dezoito anos eu nascia e já crescia com responsabilidades nas costas. Como muitos de nós.
Irmã mais velha, que protege a mais nova. Uma estudante muito boa que tirava boas notas, e que se isso não acontecesse? Misericórdia! Parecia que eu joguei pedra na cruz.
Mas o que eu mais escutei nesses 18 anos de vida foi: Uma pessoa inteligente que terá um futuro brilhante!

Pode parecer estranho da minha parte estar escrevendo isso, e parte de vocês deve estar pensando "pra que isso?", mas não vou julgá-los, pois eu estaria falando isso alguns anos atrás.
Hoje, eu não digo isso porque os dezoito anos bateram na porta e por obrigação tive que abraçá-los.

A introdução desse texto talvez não faça sentido até agora, mas eu vou explicar o porquê.
Quando eu fiz dezoito anos todos esperavam algo de mim. E quando eu digo algo quero dizer que tudo que eu fizesse a partir do dia 20 deveria ter êxito. Trabalho, ENEM, faculdade, carreira, relacionamento, tudo. Resultado? Não tive exito em nada disso.

As pessoas a minha volta devem ter ficado um pouco decepcionadas com o que aconteceu. Ou melhor, por tudo que ainda não aconteceu, mas claro que nenhuma delas me disse isso. Foi ai que minha cabeça começou a girar e mesmo tendo completado a maior idade a um ano, comecei a me sentir excluída por não ter resolvido minha vida e até cheguei a pensar se seria um fracasso em tudo que eu fazia daqui para frente.

Então minha cabeça girou mais um pouco e eu percebi que tudo que eu havia planejado até agora não tinha sido por mim, não totalmente. Eu estava fazendo para um plateia que esperava a todo custo que eu fosse algo. E então eu percebi que eu não queria ser nada. Nada daquilo que eles queriam.

As vezes as pessoas chegam em mim e fazem perguntas do tipo: E a faculdade começa quando?, Você não queria ser escritora?, Já terminou seus livros?, mas no meu ouvido é como se fosse: Tem certeza que você quer escrever livros?, Você ainda não iniciou a faculdade?, Cadê aquela menina inteligente que eu conhecia?. Foi ai que eu percebi que havia algo errado. Não comigo, mas com o que as pessoas a minha volta viam quando olhavam para mim.

A menina prodígio antes dos vinte. Era isso. Isso que todos esperavam. E essa foi uma ideia tão bem implantada na minha personalidade, que me vi ao ponto de chorar por não ter realizado todos os meus sonhos quando completei a maior idade. O desespero, a dor, o sentimento de fracasso, tudo isso me assolava quando eu havia acabado de sair do berço da minha mãe, (como alguns colegas de trabalho gostam de dizer sobre minha idade).

Então eu parei tudo. Respirei. Chorei o que tinha que chorar. Escrevi o que tinha que escrever. E me organizei. Não da forma como me aconselhavam, mas da forma como eu queria. Escolhi minha faculdade, arrumei um emprego temporário que irá me render o dinheiro necessário para algumas coisas e decidi esperar, ir com calma e dando um passo de cada vez para não tropeçar nas próprias pernas.

O resultado é que ainda não conclui todas as etapas da minha vida, até porque tenho dezenove anos, mas pela primeira vez eu sinto que estou fazendo tudo como desejo. Eu me sinto mais livre para fazer o que realmente escolhi e decidi tomar algumas decisões por conta própria.

Decidi também tirar toda aquela carga emocional de cima de mim. Tudo que estava me impedindo de dormir e me causando mal. Só assim eu consegui compreender minha juventude e toda jornada que ainda preciso seguir na vida. Estou bem melhor agora. Estou caminhando também, com passos suaves e devagar, mas caminhando. Se esse for o ritmo que vai me fazer bem é ele que eu escolho. Porque meu coração está em paz agora, e é assim que eu gosto que ele esteja.

Resenha| Lúcida, de Ron Bass e Adrienne Stoltz


Autores: Ron Bass, Adrienne Stoltz / Ano: 2016 / Páginas: 364 / Editora: Galera Record/ Nota: 5
Sinopse: Um thriller psicológico eletrizante, do roteirista de Rain Man e O casamento do meu melhor amigo. Sloane é uma aluna nota 10, com uma grande e amorosa família. Maggie vive uma existência glamorosa e independente, como aspirante a atriz em Nova York. As duas não poderiam ser mais diferentes. A não ser por um pequeno detalhe, algo que não têm coragem de revelar a ninguém. À noite, cada uma sonha que é a outra. Os sonhos são tão vívidos que as garotas sentem e experimentam o que a outra está passando naquele momento. Seriam as duas reais? Uma delas estaria mentalmente instável e imaginando a outra? Seriam ambas a mesma pessoa? Qual delas é real?
Sloane sonha com Maggie todos as noites. Meggie também sonha com Sloane todas as noites. Uma sonha com a vida da outra desde que se lembram, mesmo estando em cidades diferentes.

Meggie tem dezessete anos, sonha em ser uma grande atriz, ama sua irmã mais nova, Jade, e sofre pela perda do pai que tanto a compreendia. Praticamente abandonada pela mãe que só pensa em trabalho, Maggie teve que amadurecer mais rápido e assumir responsabilidades que fazem as pessoas a acharem mais velha do que a idade que tem.

Já Sloane parece ter entrado em um luto profundo pela morte de seu melhor amigo. Fechada em seu mundo particular e quieto, a garota ainda não consegue compreender porque se afastou tanto de sua mãe e tem raiva da mesma. Guardando todo sentimento ruim e seus sonhos esquisitos para si mesma ela tenta compreender porque sonha com a vida de outra menina e porque James, o garoto novo da escola, é tão familiar e atraente para ela.

Já imaginava que Lúcida seria aquele livro de deixar qualquer um pensativo e louco. Foi por isso mesmo que o solicitei na hora. É um desafio grande, (e gostoso para mim), ter que passar a leitura inteira adivinhando o fim que todo aquele enredo intrigante e confuso vai tomar. E foi justamente isso que aconteceu.

O livro é narrado por Meggie e Sloane, cada capítulo intercalado entre as duas, de forma simples e bem explicada. Talvez a introdução seja um pouco confusa, mas depois quem está lendo compreende que foi um jeito necessário que os autores encontraram de mostrar o início, como tudo ocorreu. A história tem um mistério muito envolvente do começo ao fim. Todo enredo gira em torno de descobrir o que realmente acontece com as meninas e como tudo irá se resolver no final.

Tanto Maggie quanto Sloane são personagens bem diferentes e bem construídas da sua maneira. Nunca sei quando qual autor está escrevendo em um livro conjunto, mas a personalidade marcante de cada personagem pode dar uma ideia a respeito da escrita de Ron e Adrienne.

Amei cada cena de confusão mental explorada e bem detalhada que os autores trouxeram para o enredo. Isso ajudou muito a sentir tudo o que Meggie/Sloane estavam passando em um momento crucial. Lúcida foi aquele livro eletrizante que trouxe inúmeras emoções e pensamentos. Terminei o livro há muito tempo, mas o final ainda me intriga com possíveis teorias sobre o desfecho.

Eu recomendaria o livro para todos, mas depois de ler algumas resenhas no Skoob percebi que talvez a leitura seja melhor para quem está acostumado com o gênero de thriller psicológicos. No demais posso dizer que foi um livro maravilhoso, que abriu muito bem minha meta de leitura desse ano e me trouxe uma sensação incrível ao realizar a leitura.

Resenha feita em parceria com a Galera Record.

Resenha| A Garota do Calendário - Março, de Audrey Carlan


Autora: Audrey Carlan / Ano: 2016 / Páginas: 144 / Editora: Verus / Nota: 2,5/5
Sinopse: Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Mia vai passar o mês de março em Chicago com o empresário Anthony Fasano, que a contrata para fingir ser noiva dele. A princípio Mia não entende por que um homem tão lindo e másculo precisa de uma falsa noiva.

De volta a rotina de Acompanhante, Mia está pronta para conhecer seu novo cliente e ganhar o dinheiro necessário para sanar a divida altíssima que seu pai fez. A pior parte disso tudo não é nem ser uma acompanhante, mas sim porque o homem a quem seu pai deve é seu ex namorado, que para deixar a vida de Mia pior do que já estava, deu uma surra em seu pai fazendo com que ele entrasse em coma.

Nesse mês Mia terá que ser noiva de Anthony, um herdeiro de família tradicional italiana, que esconde um grande segredo da mídia e de seus familiares. Colocando seus dons de atriz em pratica, Mia encarna a boa noiva e passa o mês de Março conhecendo pessoas maravilhosas e até mesmo revivendo o passado com alguém que marcou sua vida profundamente.

Fica um pouco complicado fazer um resumo simples de um livro que já é curto, ainda mais quando ele é o terceiro livro da série. "A Garota do Calendário - Março" continua narrando a vida de Mia com acompanhante de luxo e seus clientes. Não sou muito critica com livros hot porque leio poucos e sei o proposito diferente que eles carregam, mas o pouco que leio já consigo avaliar de alguma forma. Audrey Carlan tem um jeito mais simples de escrever, e muitas vezes esse jeito trás uma história vaga e rápida demais.

Sei que como a história se passa em apenas um mês fica um pouco complicado dosar a velocidade do enredo, mas nos quatro livros que li da série até hoje (li o mês de Abril também), percebi que a autora demora demais desenrolando o começo e depois, na pressa, joga todos os fatos marcantes no final e encerra tudo. Isso deixa a história muito vaga e o leitor com inúmeras perguntas. A vida de Mia em algumas partes fica em segundo plano, mas em outras ela ganha um destaque legal que acaba mostrando uma parte mais intima e sentimental por parte da personagem. Isso tira um pouco o foco das cenas de sexo e não deixa narrativa tão vazia.

"A Garota do Calendário - Março" é aquele livro que se encaixa ou não no seu gosto. Ao todo para mim a leitura não foi espetacular, porém não foi tão desperdiçada. Foi razoável, até então.  A leitura é mesmo dedicada pra quem gosta do gênero ou escolheu ler algo mais leve para passar o tempo, como eu. Então é recomendado que você tenha um dos dois itens que citei para iniciar a série.

Resenha feita em parceria com o Grupo Editorial Record.

Resenha| A Esperança é uma Torta de Maçã, de Sarah Moore FitzGerald



Autora: Sarah Moore Fitzgerald / Editora: Galera / Páginas: 176/ Nota: 4/5
Sinopse: Um romance delicado sobre pertencimento, primeiros amores e bullying. Oscar é o melhor amigo e vizinho de porta de Meg. Ele tem o incrível dom de consertar qualquer problema assando tortas de maçã perfeitas. Mas nem suas renomadas tortas conseguem aplacar a tristeza de seu pai, ainda de luto pela morte da esposa. Quando Meg recebe a notícia de que irá se mudar para a Nova Zelândia por seis meses, ela fica devastada com a ideia de ficar tanto tempo longe do amigo. Para piorar tudo, a casa de Meg é alugada pela família da terrível Paloma Killealy, que inventa todo tipo de mentiras sobre o garoto na escola. De repente, Oscar desaparece. Sua bicicleta e suas roupas são encontradas no litoral, e todos acreditam que o pior aconteceu e ele cometeu suicídio. Com a ajuda do irmãozinho de Oscar, Meg decide investigar o paradeiro dele, e por mais difícil que seja, nunca abrir mão da esperança.

Quando Meg recebeu a notícia de que iria morar em outro país durante um tempo, o mundo de Oscar, seu melhor amigo, desabou. O garoto acostumado a ter sua melhor amiga na janela todos os dias ficou triste por sua partida, mesmo assim fez de tudo para que Meg se sentisse confortável com a ideia de conhecer um lugar novo, com pessoas novas e aventuras novas.

Tentando preencher a mente com algo novo enquanto Meg não voltava, Oscar decide ser simpático e acaba conhecendo sua nova vizinha Paloma. A menina linda, dos cabelos louros, que esta sempre acostumada a ser o centro das atenções logo se interessa por Oscar, mas algo nele não lhe agrada muito: sua inocência e suas tortas de maçã. As tortas de maçã, que Oscar aprendeu a fazer com a avó, são a solução para diversos problemas que as pessoas tenham em sua vidas. Mas para Oscar, neste momento, elas podem ser um pequeno problema.

Com um título estilo bem auto-ajuda, A Esperança é uma Torta de Maçã trouxe uma história juvenil bem gostosa que nos mostra como muitas pessoas na sociedade se deixam levar pela opinião que lhes é imposta e como isso pode trazer graves consequências para a vida de alguém.

A história é narrada pelos dois personagens principais, Meg e Oscar. Como a autora preferiu mostrar as cenas que se passam depois do sumiço de Oscar primeiro, os primeiros capítulos são um pouco confusos, mas depois tudo se encaixa no tempo que deveria ocorrer. Essa escolha de mostrar os fatos que desenrolaram o enredo depois foi uma boa jogada, porque o leitor se sente preso pra saber o que aconteceu com um personagem tão quieto e o que o levou a fazer o que fez.

Pode-se dizer que o foco da história é mostrar como a vida de Oscar foi arrasada por boatos maldosos e inveja, mas temos também pequenos focos com assuntos secundários que foram importante para a construção de todos os personagens e até mesmo da conclusão.

Falando assim parece que a história é confusa e muito detalhista, mas acontece que o livro é bem simples de ler e acompanhar. Foi uma leitura com todos os pontos que eu esperava. Uma história boa e envolvente, personagens profundos e bem feitos, e uma escrita leve que me trouxesse uma facilidade maior para ler o livro brevemente.

A Esperança é uma Torta de Maçã pode ter uma lição simples sobre a amizade, esperança, se entregar ao que sente e viver. É uma leitura muito recomendada para quem quer ler um livro rápido com uma história legal.

Resenha feita em parceria com a Galera Record.

Sorteio| Aniversário Perdida na Biblioteca


Hoje vai ser uma festa!!! Porque em Janeiro o (novo) Perdida na Biblioteca completa 1 ano de vida!
E você é convidado de honra dessa super festa!

Mas agora vamos as regras?
Leiam com muita atenção!
  • A promoção tem início no dia 08/01 e terminará no dia 05/02 à meia noite.  
  • Será um ganhador para cada grupo. 
  • O ganhador deve residir e ter endereço de entrega em território nacional.
  • O resultado será divulgado aqui no blog, nas redes sociais e no próprio formulário do Rafflecopter
  • O contato com o ganhador será feito através do email cadastrado no formulário Rafflecopter. Portanto, utilize um email que você verifique com certa frequência. 
  • O ganhador terá o prazo máximo de 48h para responder o email com seus dados completos para o envio dos prêmios. Caso isso não ocorra, um novo sorteio será realizado. 
  • Os blogueiros tem o prazo máximo de 30 dias para a postagem do prêmio, contando a partir da dat de divulgação do resultado. 
  • Cada blogueiro é responsável pelo envio do livro que disponibilizou para esta promoção. 
  • Não nos responsabilizamos por atrasos na entrega devido a eventuais greves dos Correios ou qualquer extravio. Caso o prêmio retorne ao blogueiro por algum motivo, ele não é responsável pelo reenvio do mesmo ao ganhador. O reenvio poderá ser acordado entre as partes posteriormente, ou não. Com o reenvio sendo pago pelo ganhador. 
Leu tudo? Então pegue um pedaço do bolo e vamos começar a descobrir os presentes! 



Blogs participantes: 
Cachola Literária - Porque o céu é azul
Leitura Maravilhosa - E se fosse verdade
Parafraseando Livros - O voo da Libélula
Pobre Leitora - Eu fico loko 3
Perdida na Biblioteca - Gêmeas do Gelo
Livros & Bolinhos - O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares


a Rafflecopter giveaway


Blogs Participantes: 
Seja Cult - Claro que te amo
La vie est ailleurs - Nós
Da Imaginação à Escrita - Tá, e daí?
Fórmula do Amor - Tequila Vermelha
Perdida na Biblioteca - Rio - Paris - Rio


a Rafflecopter giveaway


Blogs Participantes:
Procurei em Sonhos - A rosa louca
Pitada de Cinema e Leitura - Príncipe Mecânico
Ler para Divertir - Esperando por Doggo
Perdida na Biblioteca - Nevando em Bali
Escuta Essa - Comprometida


a Rafflecopter giveaway

Resenha| Amor Plus Size, de Larissa Siriani


Resultado de imagem para amor plus size
Imagem por: www
Autora: Larissa Siriani /Ano: 2016 / Páginas: 280 / Editora: Verus / Nota: 3/5
Sinopse: Maitê Passos é uma garota linda, de dezessete anos e mais de cem quilos. Ela passou a infância e a adolescência sendo resumida ao peso. Mas e quando é justamente esse o fator que pode mudar completamente a sua vida?
Em meio ao turbilhão do ensino médio, com uma mãe obcecada por dietas, um crush antigo por Alexandre, o cara mais gato da escola, e uma amizade deliciosa com Isaac, fotógrafo amador, Maitê vai descobrir que não precisa ser igual a todas as outras meninas para ser feliz.
Neste romance corajoso e cheio de reviravoltas, Larissa Siriani narra a história de uma jovem descobrindo seu lugar no mundo, construindo uma jornada incrível de autoconhecimento, aceitação e empoderamento

Maitê Passos é gorda. Seu tamanho fora do "normal" sempre incomodou sua mãe, que a empurrava dietas que Maitê nunca conseguiu seguir. Invisível na escola, apaixonada pelo carinha mais bonito de lá e lutando contra problemas de aceitação, a única coisa que a fazia feliz no momento era a presença de seu melhor amigo, Isaac, que desde pequeno a aceita como é e apoia seus sentimentos.

Foi Isaac, seu fiel escudeiro, que lhe deu o pontapé inicial para a carreira de modelo, que Maitê nunca achou que seguiria. E agora a bela moça terá que superar sua timidez e embarcar de cabeça nessa aventura que ira definir o destino de seu futuro e até mesmo sua carreira.

Quando li o título do livro e a sinopse, logo o solicitei. Estava afim de ler algo fora do padrão e quem sabe descobrir uma nova história que mexesse comigo de uma forma profunda. "Amor Plus Size" acabou se mostrando um pouco clichê em determinados pontos, e talvez, para mim, a autora tenha fugido só um pouquinho do assunto principal do livro.

Aparentemente o livro é um grande quebrador de tabu. E até é um pouco, mas não da forma que eu esperava. Tive um pouco de dificuldade de ler o que se desenvolveu na história e ainda não concordo tanto com algumas coisas presentes nele.

Vamos começar por uma coisa que tenho observado de tempos pra cá: a forma clichê e, de certa forma, padrão que os personagens "quebradores de tabu" vem apresentando em alguns livros. No caso em questão preciso ressaltar a forma como Maitê e suas amigas se referiam a meninas magras e populares de sua escola. OK, quem nunca falou mal de alguma colega de qualquer ambiente sociável que atire a primeira pedra, mas nesse caso foi muito incômodo ler as comparações que a própria excluída fazia de outras pessoas. A sensação de ver essas atitudes é meio sem sentido. Precisava muito ter algo diferente no enredo e talvez essa diferença fosse um pouco mais de sororidade* por parte das meninas.

Outra ressalva que pode ser feita é a necessidade que alguns escritores ainda encontram em fazer com que o bonitinho só se apaixone pela "diferente" depois que ela se transforma e entra no padrão social, nem que seja só um pouco. Digo e repito: isso precisa parar! Você não quebra preconceito nenhum insinuando que uma menina só vai ser amada se for feminina.

Saindo bem mais do conceito e aprofundando mais a questão técnica do livro, percebesse que Larissa Siriani ainda está evoluindo na forma de escrever e desenvolver o enredo. Por vezes me irritei com o excesso de expressões como: revirar os olhos e algumas referências excessivas a banda One Direction.

Os assuntos do livro se perdem um pouco. O que foi proposto como a história de uma modelo Plus Size se torna a busca por um romance não correspondido, no meio temos um caso de bulimia e anorexia e depois volta para um romance. A trajetória de Maitê como modelo foi meio que deixado de lado e com isso a lição de superação e amor próprio foi ficando um pouco apagada.

Mesmo assim acabei gostando da leitura por ter sido leve e simples. É muito válido recomendar a leitura para meninas que estão passando pela fase da puberdade e querem encontrar uma personagem com suas formas nos livros. A única coisa que espero é que da próxima personagens como Maitê foquem mais na própria valorização e não em coisas secundárias.

Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

Resenha feita em parceria com o Grupo Editorial Record.